O povo mais conformista do mundo Reviewed by Momizat on . Segue trecho de matéria da BBC Brasil via UOL: Embora alguns digam ter medo, diversos moradores de um bairro de Teresópolis (região serrana do Rio) cogitam volt Segue trecho de matéria da BBC Brasil via UOL: Embora alguns digam ter medo, diversos moradores de um bairro de Teresópolis (região serrana do Rio) cogitam volt Rating:
Você está aqui:Home » Cotidiano » O povo mais conformista do mundo

O povo mais conformista do mundo

conformismo

Segue trecho de matéria da BBC Brasil via UOL:

Embora alguns digam ter medo, diversos moradores de um bairro de Teresópolis (região serrana do Rio) cogitam voltar a construir nos locais onde suas casas foram severamente atingidas pelos deslizamentos da última quarta-feira – inclusive em áreas condenadas pela Defesa Civil.

O pintor Anderson Magalhães, 33 anos, deveria ter se mudado para sua casa nova, que construiu no bairro do Féo, no último sábado. “Só faltava bater a laje, que já estava lá, comprada”, disse à BBC Brasil. No entanto, a chuva e os deslizamentos da quarta-feira anterior arruinaram a sua nova moradia, que teve o andar de baixo totalmente engolido pela lama que desceu do morro. “Ficaram cinco sacos de cimento lá, foi o que restou da minha obra.”

 

Anderson mora de aluguel no mesmo bairro, em uma casa localizada em um ponto mais seguro. Agora, ele afirma que quer se mudar para outra zona da cidade, mas acha difícil conseguir outro lugar para morar. “Se não tiver saída, eu com certeza pego o dinheiro do FGTS e volto pra minha casa no Féo”, diz Anderson. “Vou lá, bato a laje na parte de cima, esqueço a parte de baixo e volto.” Sobre os riscos de ocorrerem novos deslizamentos como os da semana passada, o pintor afirma: “Se acontecer qualquer chuvinha, sai todo mundo de lá na hora, é o jeito.”

Ele se mostra cético com a possibilidade de ganhar recursos do governo para construir outra casa. “Conheço gente no (bairro do) Perpétuo que perdeu tudo na outra enchente (ocorrida em 2002) e até hoje não ganhou nada.”

Por misericórdia! A autoestima do brasileiro é tão baixa, mas tão baixa, que as declarações dos desabrigados do RJ chegam a chocar!

O cidadão perde sua casa, que custou tanto em dinheiro e suor, e ele cogita construir tudo de novo, no mesmo local, ainda que ciente que a área foi condenada pela Defesa Civil! Ele não se importa que corra o risco de matar sua família ou a si mesmo, porque sabe que o governo deixa seus cidadãos largados à própria sorte!

Isso é tão assustador quanto a tragédia em si. Morremos soterrados porque não tem outro jeito. Votamos nesses mesmos políticos safados porque não tem outro jeito. Estão aí os 80% que aprovaram o ex-presidente! E tá explicado também porque o brasileiro é o segundo povo mais otimista do mundo!

Conformismo!

Será que só vemos manifestação popular quando um jogador de futebol assina contrato com um clube? Ou quando as escolas de samba desfilam na Sapucaí? É… o carnaval tá chegando, tudo passa! Balacobaco, ziriguidum, olha a Beija-Flor aí geeeeeeente!

Acorda Rio de Janeiro!!!! Acorda Brasil!!!

Bia Kunze é dentista homecare, consultora em tecnologia móvel e comentarista da rádio CBN.

Facebook Twitter LinkedIn Google+ Flickr YouTube 

Creative Commons License
The O povo mais conformista do mundo by Codigo Livre, unless otherwise expressly stated, is licensed under a Creative Commons Attribution-Noncommercial-Share Alike 3.0 Unported License.

  • Pingback: Tweets that mention O povo mais conformista do mundo: -- Topsy.com

  • http://flavors.me/edulacerda Edu

    Seria um bom tema para se trabalhar (a permanência), mas você preferiu o caminho fácil da repetição de chavões e a tomar julgamentos pessoais como universais.

    Por que alguém permaneceria no lugar em que ela vive, trabalha, tem amigos? Por que? Por que sair de um lugar em que o aluguel é x pra ir para um lugar que é 2x? Existem fatores emocionais, e financeiros pra tanto. Poderia se fazer uma análise sobre, mas pra que? Muito mais simples usar uma única palavrinha e depois misturar alhos com bugalhos, ainda que mesmo os bugalhos sejam alhos também. Nem vale a pena ir discutir coisas mais sérias e profundas como a cultura católica latina.

    Você, tentando provar sua tese, logicamente diz que falta protestos, falta "atitude", e segue na estrada até chegar na popularidade do Lula. Primeiramente você mostra um proposital desconhecimento da história brasileira, que é sim uma história inconformista. Creio que Francisco Julião, Zumbi, Frei Caneca, e os movimentos sociais atuais também. Estes estudantes aqui também não suportariam ouvir que são conformistas http://youtu.be/dDOm6g2V3ds Os eleitores que ajudaram a não eleger figuras como Mão Santa, Tasso Jereissati, também não aceitariam ser chamados de conformistas. Mas pra que parar pra pensar.

    Agora você conclama pessoas que perderam tudo ou quase tudo (incluindo pessoas queridas) a "agitarem" em vez de reconstruir a vida primeiro. Mais uma vez apelo pra história, é muito provável que haverá alguma coisa (associação de atingidos, mudança de voto, deslocamento), mas agora o que se quer é viver.

    Por fim você apela ao ódio aos políticos, e usa Lula como exemplo. Você fala por si quando fala que vota em políticos safados? Posso te garantir que os que eu voto quase nunca são safados. Até hoje só me arrependi de um voto dado em 2002 para senador (Flavio Arns), mas isso diz muito mais sobre mim do que sobre os políticos safados. Quanto ao Lula, só lembro que a avaliação do governante é feita base na média das suas ações e inações, com historicamente o fator econômico sendo preponderante. Se na sua estima foi ruim, na minha e de 80% não foi. Mas é achei um desserviço misturar as coisas. Julgar algo como bom não necessariamente é conformar-se com o que se acha ruim apenas por se avaliar o todo preponderantemente que as partes que compõem o todo.

    PS: O comentário é propositadamente neste tom, porque é de acordo com minha leitura do texto (que me irritou profundamente).

    PSS: Perdoe-me se fui prolixo.

  • http://twitter.com/masspeak @masspeak

    Eu concordo com o texto, está bem explicado que a área está condenada pela defesa civil, ou passamos a acatar profissionais, ou nunca teremos respeito próprio, continuando a ver povo e políticos individualistas.

  • http://sergioflima.pro.br/b Sérgio Lima

    Concordo com o comentário do Edu.

    Esta "indignação pequeno burguesa" não acrescenta nada a vida daqueles que sofreram na pele perdas com esta catastrofe. A misturada de coisas (Lula, Políticos safados, catastrofe), beira a leviandade…

    Mas é preferível ler isto do que ser cego!

  • Mr. Bill

    E interessante essa discussão já que é um fato que existe sim o conformismo no povo brasileiro, mas que mesmo assim existem fatores “psicó-sociais” para que os moradores vivam em área de risco.

    Creio eu que é demagogia defender a classe política, por não ter investido na desocupação desses locais e de MUITOS outros (já que claramente é sabido que eram áreas de mata que foram irregularmente ocupadas) ou por em vez de pensar em meios de reduzir os juros e alavancar de verdade a economia ou melhorar a infra-estrutura dos serviços a população, só pensam em aumentar a própria “bonificação de classe” (PQ não dá pra chamar àquilo de salário).

    Mesmo assim não dá pra defender o povo brasileiro, que teima em votar com 3ª intenções e que “volta e meia” tenta dar um “jeitinho” pra se beneficiar ser pensar nos riscos.

    Um exemplo disso é onde eu moro, a gloriosa cidade de Nilopolis (Lar da escola de samba citada no fim do texto). Próximo da minha atual residência (Umas 3 quadras pra ser exato) existe um rio (Rio Guandu) que faz divisa entre os municípios de Nilopolis e Mesquita, e nas margens desse algumas milhares de casas. O caso é na última grande enchente as margens do Guandu se “alargaram” engolindo parte de algumas casas. Algumas famílias se mudaram, mas a grande maioria não o fez. Sabem porque? Porque eles a acreditam que se reforçar a estrutura das casas nada vai acontecer. Então eles em vez de pagar 2x em uma nova moradia, gastam x na casa e mais 2x para reformar.

    Resumindo, é mais fácil pro Brasileiro ter fé em algo que faça com que eles não precise se esforçar, que ver aquilo como oportunidade e mudar pra algo melhor.

  • Mr. Bill

    P.S.: Quando falei minha “atual casa” é pelo fato que eu comprei uma casa em melhor localização por seguir um pensamento do meu Pai: “sempre tenha em foco algo melhor… Nunca o igual ou pior.”

    P.S.2: Desculpem o, talvez, excesso de acertos ou palavras sem sentido. É que estou escrevendo isso do celular com o corretor ligado.

© 2013 Powered By Wordpress - Codigo Livre Cast

Voltar para o topo